Mulheres de todo o país se reúnem em Goiânia para debater o combate à gordofobia e o fomento da moda e dança inclusivas

A digital influencer Vanessa Campos estará em Goiânia no dia 12 de maio para falar sobre o combate à gordofobia, o fomento da moda e danças inclusivas e divulgar o movimento #bodypositive. Modelo de marcas plus size de todo o Brasil, ela, que é pernambucana e reside em Brasília há 10 anos, participa da roda de conversa “Corpo Sem Vergonha” ao lado da doutora em Ciências Sociais pela Universidade de Brasília (UnB) e criadora da marca Augusta Robusta, Marcelle Vaz; da socióloga, ativista em favor das mulheres e presidenta do Conselho Estadual da Juventude, Aava Santiago e da bailarina e psicóloga Claudiane Alves, sócia-fundadora do primeiro estúdio de danças urbanas da Capital.

Claudiane Alves

O evento é gratuito e será realizado, às 14h30, na Vibe 62 Urban Studio, na rua Orestes Ribeiro, n.º 60, no setor Bueno. A roda de conversa será mediada pela comunicadora Maysa Manoela, da Expresso Criativo Gestão de Imagem, empresa idealizadora da ação. Os participantes vão conferir apresentações de dança urbana que, segundo Claudiane Alves, é uma das modalidades de expressão artística mais inclusiva da atualidade. “Não há limites para a dança urbana. As coreografias são elaboradas para que qualquer pessoa possa executar, sem padrão corporal ou restrição de mobilidade. É uma arte que abrange as características urbanas, que são formadas por pessoas e universos diversos”.

Vanessa Campos

Pela primeira vez em um evento público na Capital, Vanessa Campos, que também é jornalista e criadora da página @blogueirafail, diz que é fundamental ampliar os debates sobre o corpo feminino, alvo de padronizações ao longo dos séculos, e também sobre a importância da moda e cultura estarem atentas à pluralidade social. “Corpo não é fetiche, a mulher gorda é uma pessoa com esse atributo físico, assim como a magra. Denegrir o corpo de uma mulher como tentativa de enaltecer outra é sexista, misógino e machista. É desrespeito a todas nós. Esse tipo de colocação não nos define, apenas nos ‘coisifica’ e não devemos legitimar isso”, explica.

Vanessa se autointitula uma blogueira fail, uma brincadeira com o fato de não ter um blog ‘de verdade’. “O projeto @blogueirafail surgiu como uma paródia dos looks que algumas meninas apostavam, eram fotos minhas usando o não convencional, como listras horizontais, ou vestidos que marcavam a barriga ou brilho durante o dia”, explica a instagrammer. “O fato é que todo corpo é político e o que usamos ou não fala muito sobre as escolhas de vida que fazemos”, afirma. Em seu perfil, Vanessa trata ainda de temas como compulsão alimentar, autoaceitação e feminismo.

Vanessa Campos

A doutora em Ciências Sociais e fundadora da marca Augusta Robusta, Marcelle Vaz, ressalta que a sua intenção é provocar a sororidade, a libertação e o amor próprio entre as mulheres. Ela afirma que a moda precisa mudar. ‘Não é você que tem que caber na roupa, é a roupa que tem caber em você’ é o nome de sua primeira coleção de roupas.

Segundo Marcelle, a Augusta Robusta estimula todas a se reconhecerem lindas e únicas e está em favor dos diferentes corpos femininos. O propósito é criar moda para as mulheres reais. “Somos contra os padrões impostos pelo patriarcado, produzimos peças e falamos sobre a pressão estética sobre as mulheres e o papel social da moda por meio de vídeos e textos. Seguimos resistindo neste mundo, onde a misoginia é latente, reforçando que todas nós podemos ser maravilhosas e poderosas, cada uma do seu próprio jeito”.

Marcelle Vaz

A idealizadora da marca diz que as mulheres cresceram ouvindo que não podem usar as roupas que desejam, que gorda não pode usar cor extravagante e diferentona que fica exagerado demais. “Gorda deve usar sempre cores mais sóbrias que alongam a silhueta e disfarçam as imperfeições. Mas estamos aqui para dizer não a isso. Usaremos o que quisermos na hora que tivermos vontade”, esclarece.

Partindo da premissa de que qualquer mulher pode usar o que quiser, Marcelle criou as modelagens de todas as roupas da Augusta Robusta a partir de um corpo GG real oficial. Segundo ela, essa nova metodologia faz toda a diferença na medida em que considera as particularidades dos corpos. O resultado é que o tamanho Gorgeous Gorgeous (GG) acaba vestindo 46,48 e 50, e os tamanhos maiores vestem até 56/58.

Marcelle Vaz

A socióloga Aava Santiago afirma que o encontro de mulheres para discutir assuntos tão atuais, como a urgente atualização da moda e construção de mais espaços heterogêneos e horizontais para a expressão artística, será um momento poderoso para a cidade. Para a ativista em favor das mulheres, é uma urgência que os elementos de padronização estética, centrais nos mecanismos de violência simbólica e no adoecimento emocional, psicológico e físico de mulheres e homens, sejam revistos e ressignificados sob novos olhares.

Aava Santiago

Segundo ela, a convivência na sociedade tem se alterado e não tem sido mais possível a manutenção perpetua de padrões adoecidos, que fomentam indústrias e não valorizam as pessoas. “Estamos aqui para mostrar que juntas somos mais fortes e, mesmo que aos poucos, vamos alterar cada vez mais esses padrões. Vamos mostrar as nossas necessidades, vamos discutir e vamos acolher todas. Tudo isso sem nos envergonharmos de quem somos e de nossos corpos. Não será possível nos deter, estamos em todos lares e as mulheres só precisam estar atentas aos seus potenciais e direitos”.

Com informações: Expresso Criativo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *